Valor aumentado para praticamente o triplo em relação a 2014

O Mundial’2018 irá distribuir prémios bastante chorudos para as federações participantes, mas também os clubes que ‘oferecerem’ jogadores para disputar a fase final irão receber uma verba considerável. De acordo com dados revelados pela FIFA, os clubes terão direito ao pagamento de 8,5 mil dólares (7,1 mil euros) por cada dia que um jogador seu passar concentrado na prova, a começar a 1 de junho.

Ainda assim, refira-se que a verba a pagar por cada futebolista será distribuída aos clubes nos quais o jogador esteve inscrito nos últimos dois anos. Por exemplo, caso o benfiquista Mile Svilar seja convocado, a verba total irá ser dividida entre o Benfica e o Anderlecht, assim como com o sportinguista Marcos Acuña, que verá a verba correspondente à sua eventual repartida entre o Racing Avellaneda e os leões. Há também o caso de André Silva, que obrigará a uma repartição da verba entre FC Porto e AC Milan.

Fazendo um exercício rápido, um jogador que chegue à final da prova irá proporcionar o pagamento de 312 mil euros ao(s) clube(s), pelo que um Mundial’2018 bem sucedido poderá significar também um jackpot para algumas equipas. Imagine uma equipa que tem dez jogadores nessa final… são 3,12 milhões de euros em caixa!

Refira-se que os valores reservados para este ‘prémio’ aos clubes conheceram uma grande evolução desde que foram introduzidos, já que em 2010 a verba envolvida era de apenas 33,8 milhões de euros, tendo passado a 59,2 milhões quatro depois. Para 2018, o aumento é brutal, passando a 176,9 milhões de euros.


via Milenio Stadium